segunda-feira, 12 de julho de 2010

Sob Auditoria - 91



Zé Augusto, meu personal nefrologist, é um dos grandes parceiros que eu tenho no Núcleo.  Acompanha meu caso de perto e qualquer coisa se acerta com Leco, meu personal oncologist, com os dois sob a supervisão maior (e de perto) de Dona Gêisa, que, no final das contas, é quem decide tudo, de verdade.

Gêisa, traíra que só, vive passando relatórios pra ele.  É só eu dar um tonteirinha de nada, lá vai ela reportar pro Zé Augusto.
Que dizer, eu vivo à mercê dos três.  Leco, Zé Augusto e Gêisa.

Minha hemoglobina andou meio baixo, dia destes.  O resultado concreto disso era eu ficar exausto, a qualquer ameaça de esforço.  É uma reação mais ou menos normal quando se fala de anemia, mais ainda quando se é paciente renal.  Quando baixa a taxa, o caminho é uma injeção de noripurum e vai-se acompanhando até a coisa voltar a níveis aceitáveis.

Você, que é uma gracinha, deve ter sua hemoglobina entre 13 e 16.  No meu caso, por causa da hemodiálise, o valor de referência abaixa para qualquer coisa entre 11 e 13.

Um dia, Zé chegou com um ar anormalmente sombrio.  Minha hemoglobina estava pouco acima de 9.  Queria o telefone do Leco, pra evitar que a aplicação do remédio conflitasse com o tratamento do Sutent.  Como o noripurum tinha um componente cancerígeno, os dois acertaram em acompanhar de perto a hemoglobina, sem ajuda externa[1].

Ontem, depois de ter passado um final de semana de rei no Meu Sítio, comendo um coq au vin[2] (que foi pra panela no fogão de lenha no sábado e alí ficou até ficar parecendo carne de neve, de tão macia) e dormindo sem nem dar bola pro jogo, cheguei em BH novo em folha.

Acordei de madrugada, pois tinha ido dormir 8 da noite.  Fui ler o jornal.  Dez minutos depois, Gêisa acorda assustada.
-  Cadê você?

De manhãzinha, lá foi ela conversar com o Zé Augusto, pedindo pra ele checar sintomas, hemoglobina e mais outras cositas.  Deve ter gasto o salário dela todo no celular, fazendo a auditoria.

E o Zé, que deve estar acostumado com isto, fica rindo de mim, me olhando com um discreto canto de olho...






[1] Ajuda externa, no caso, é o noripurum.  A Gêisa, isto é fora de questão, participa de tudo!
[2] Boa idéia.  Vou pegar a receita pra publicar aqui, com o aval da Diana.

6 comentários:

vivi disse...

saudades de dona geisa querendo saber de tudo que passa na casa!!!!

bjosaudosos

PC disse...

Só te digo duas coisas:
1.Tu
2.Do
Mas o Du, meu lord, fala que o bom de mulher brava é que a gente desobedece ela até...

Regina disse...

Será que o Marcos lá de Nova Lima, ao falar que eu sou brava tava dedurando o Toninho? Vou ficar de olho pra ver se Antônio anda se esbaldando por aí...

Bjs


Ps:Falta pouco, muito pouco, quase nada pro domingo chegar, hein, Vivi?!?!

PC disse...

Total, Regi.
Bom é que ele e o Leôncio se pelam...

Vem ni mim, Vivi!!

redatozim disse...

Tem que ficar de olho mesmo, filhote, você é grande, mas nem um direito você fica com hemoglobina baixa assim.

PC disse...

Mas, devagarzinho, ela volta, redatô.