quinta-feira, 15 de julho de 2010

Cadê o sentido? - 93



Ucho é meu concunhado.  Irmão de Mônica, casada com Rai, meu irmão desde os tempos de Cedro Cachoeira.  Mandou pra mim um vídeo que, por acaso, foi produzido pelo Pepe, meu irmão também.  É a vantagem da gente morar em Belo Horizonte.  Com duas conexões, acaba conhecendo todo mundo.

O vídeo encaixa igual luva neste momento que eu estou passando agora.  Correria pra quê?
Minha doença acabou servindo pra me ajudar a entender um tanto de coisa que já andava não fazendo sentido há algum tempo.  Custei a entender que fazer sucesso e ser competente não são necessariamente sinônimos.  Que ficar rico e ser feliz podem não ser os dois lados da mesma moeda.

Na verdade, entender que a gente perde um tempo doido correndo atrás de coisa que não faz lá muito sentido. 
Retificando: “a gente” não, porque a gente é muito gente.
Eu corri e tem hora que ainda corro.  E ando com cada vez menos disposição de correr, a não ser que faça sentido.

Pouco antes da doença, fui responsável por uma cadeira chamada Sociedade e Empresa para o MBA que o Pitágoras fez em Viçosa e depois repetiu em BH.  pra empresários de TI.  Era uma parceria com o Sucesu.  Aceitei o desafio, mas bastante apreensivo com a possibilidade do povo não se comprometer com o tema.

Foi uma das experiências mais legais da minha vida.  O grupo fazia cada questionamento sério pra dedéu sobre o papel deles na sociedade.  E a coisa acabava com eles mesmo respondendo. 
A reflexão não tinha fim...

Aí aparece este vídeo, trazendo pro chão essa discussão etérea do que seja sustentabilidade, que anda virando conversa fácil.

Por acaso, Raquel, minha linda da Dom Cabral, esteve em Itabirito e conheceu o local.  Tinham dois formatos de bolo de feijão.  Um mais redondinho e um outro parecendo um quibe.  Ela, de cidade grande, acostumada a responder por resultado, perguntou pelo motivo e se não era melhor padronizar para ganhar em produtividade..  Sábio, o Jugulal explicou:
-  É que são dois fornecedores.  Aí cada um faz do jeito que quiser.

E falou com ela, fechando a conversa com chave de ouro:
-  Se você voltar daqui a 10 anos, fia, vai encontrar tudo igualzinho está hoje...



18 comentários:

PC disse...

Faço eu.
Achei esse o post mais encantador que eu já fiz (tirando os do Tomás, claro).
E, depois de 24 horas, ninguém fala nada???

Sinceramente...

PC disse...

Muito obrigado, PC.
Seu comentário, encantador, diga-se de passagem, chegou em boa hora.

vivi disse...

vo te fala que li 3 vezes....mais fiquei sem saber q q eu poderia escrever...como to te achando mei solitario escrevi isso...ajuauhuah

bjooo

quero te ver domingo na vovo

PC disse...

uashuashuashuashuashuashuashuash, vivi!!!

Anônimo disse...

Olha só,
vendo este video lembro de uma música que fala assim:
"Tocando em Frente"
Almir Sater
Composição: Almir Sater e Renato Teixeira
Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso,
porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte,
mais feliz quem sabe
Eu só levo a certeza de que
muito pouco eu sei,eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir
Todo mundo ama um dia
todo mundo chora
um dia a gente chega
no outro vai embora
cada um de nós compõe a sua história
e cada ser em si
carrega o dom de ser capaz
de ser feliz"
Linda não é?
Beijinhos
Mariza

Renata Feldman disse...

Faz todo sentido ler as coisas bacanas que você escreve, PC!...
Tenho visto muita gente buscando sentido na vida....
Se não houver sentido, não há porquê...
Beijos

Lina disse...

que mundo delicioso este !!!

flaviacoelho5 disse...

O pior é que a gente passa por estas coisas tão simples numa correria que não tem tamanho e ai só lá na frente é que percebemos o tanto q "correr não vale a pena". A vida foi feita para ser VIVIDA, literalmente.

Tiago Cruz disse...

É um conforto ver esse vídeo!
Abs,
Tiago.
obs.: excelentes os dois primeiros comentários. Me fez lembrar um cara gordoidão que tinha um bug...

Lucia disse...

Nada como reclamar para dar a Becket o que é de Becket!!! Vc se supera sempre! Sabe que eu gosto de causos. Vou te contar uma coisa: qdo cheguei aqui em CV, me peguei fazendo compras como se eu tivesse que pegar o carro no estacionamento, pagar, buscar Júlia na avó, fazer o jantar, colocar roupa na máquina, tentar dormir, acordar, tirar o carro da garagem, correr (ser multada) para não chegar atrasada no trabalho(o que era comum). Entrei numa loja um dia, a vendedora, que era a proprietária, sentada num banquinho atrás do balcão, sorridente, tranquila; lá fora sem businas, nem freadas! Deu aquele estereofônico silêncio no meu ouvido! eu esbaforida, radiografando as prateleiras e ali silêncio, tranquilidade, slow motion. Tive um insight assim tipo um raio e logo após um clarão!!! eu não precisava ter pressa. O tempo daria pra tudo. Alguns dias depois liguei pro meu pai e contei:
- Já saí do trabalho, fui ao supermercado, fiz compras, passei no caixa, voltei, à pé, estou em casa e gastei 15 minutos, juro por Deus. E a vida continua assim até hoje. O que não quer dizer que está tudo bem, mas tudo bem!! O que importa é optar e se adaptar e se adaptar e festejar! Renato Teixeira e o filho estiveram por aqui, cantaram, entre outras, "Tocando em frente", num palco ao ar livre, para um publico de umas 100 pessoas (lotado), céu estrelado, pipoca distribuida de graça, numa quarta ou quinta-feira,tipo jabá da Prefeitura. Foi legal! Voltei à pé pra casa (pertinho de casa -tudo é perto de tudo) satisfeita, leve, principalmente porque não foi sertanejo universitário, e feliz porque qdo chegar em casa posso matar a saudade das conexões especiais que rolam na minha amada e adorada Belo Horizonte através do Valente escritor deste blospot!E assim vamos tocando em frente, esperando para compartilhar o próximo post de sua vida, PC querido. bjs

PC disse...

Mariza, mas é bonitinho ou não é?
As duas.
A mercearia e a música.
Beijos

PC disse...

Igual fala na roça, Renata.
Se não, perde metade da graça.
Beijos

PC disse...

Volta pra cá, Lina, e eu namoro escondido com você.
Beijos

PC disse...

Henrique agora vai te ajudar a ver isto, Flavinha.
Se eu fosse você, tomava ele depressa da Duda.
Pronto.
Falei.

PC disse...

Pô, Tiago, eu tinha posto a maior fé no post e ninguém falando nada...
Não aguentei.
Beijos

PC disse...

Campina é demais, Lúcia.
Fala se agora você volta pra cá?
Fala!!!
Nem amarrada...

sergio disse...

uuuuaaaaaaaullllll.Pra todos os comentarios e logico para o post,mas de alguma forma e a seu modo temos que radicalizar.Se nao .....

PC disse...

Mas a gente radicaliza com doçura.
Os hippies, de quando a gente tinha 15 anos, costumavam dizer:
- Ame seu inimigo. Ele vai ficar pissed off.
A melhor tradução aí, curto e grosso, vai ficar puto!