quarta-feira, 27 de março de 2013

Dona Ester e seus 90 anos




Um tempo depois que papai morreu, em 1970, mamãe teve um câncer de mama que deixou nós todos em choque.  Hoje, a coisa virou motivo de brincadeira nossa com ela.  Mas Dona Ester foi pro hospital, chorando, falando com a gente onde tinha cheque assinado, quanto tinha em qual banco, certa que era a última vez que ela nos veria.
Há uns cinco anos atrás, plantei uma recém-nascida muda de jaboticaba e falei que a árvore era dela.  Meio sem gracinha, ela me perguntou:  Será que eu ainda vou chupar desta jaboticaba?[1]
Outro dia, mamãe reclamava com Lisa, minha do meio, que ela não sabia que envelhecer seria tão difícil.  Lisa chutou o balde e falou com ela, na lata:
-  Mas vó, tem mais de 20 anos que a senhora é velha e só tá reparando isto agora?  Então tá muito fácil, esta história de envelhecer...

Ontem, mamãe, longeva que só ela, completou 90 anos.  Encheu a Igreja de Santo Inácio, com amigos dela e nossos, agradecendo a Deus pelo privilégio de estar acompanhando nossas vidas.
Adriana do Cuca leu[2], ao final da missa, este texto que ela e Rachel da Flavinha, com o auxílio luxuoso da Ciça,
 prepararam.


Hoje estamos aqui para falar de uma das pessoas que mais admiramos na vida.
Dela, temos as lembranças carinhosas, as férias na casa da avó... almoços e agora lanches de domingo... os mimos... as histórias...
Alguns a conhecem por Ester, muitos Tia Teca e outros até por Teté.  Para nós, será sempre a Vovó Teca.
Ela é aquela que nunca se cansa das nossas brincadeiras, que sempre arruma forças para segurar o Antônio, que sempre fica andando atrás do Henrique mostrando uma brincadeira diferente, que sempre lembra ao Tomás a sacola cheia de brinquedos que ela guarda no quarto e que sempre segura o Tadeu coberto com um lençolzinho e todo cuidado do mundo.
Conforme a gente foi crescendo, ela foi se transformando em referencia para tudo. Não estamos menosprezando nossos pais, mas essa avó é demais. Virou modelo de vida, confidente, professora particular para os que ficavam em recuperação no final do ano. Não dava sossego pra ninguém.
Quando a gente cresce, consegue perceber que até as coisas mais simples são capazes de nos marcar para a vida inteira:
Primeiro, o sorriso com que nos recebe sempre que chegamos em sua casa. Sorriso sempre aberto a qualquer pessoa que passe por lá. O sorriso sempre vem seguido da exclamação: OH! É você!? ;como se tivesse anos que a gente não aparecia. Não me lembro de nenhum momento em que fôssemos recebidos sem aquele semblante de satisfação. Sua casa nos acolhe e , por menor que seja, se torna um palácio com um espacinho para cada pessoa que quiser chegar. Antes ,a sala grande do Gutierrez  abrigou as aulas de dança, gincanas, desfiles de moda e até mesmo um pequeno acidente envolvendo um tampo de mármore, mas, não se preocupem,  ninguém saiu gravemente ferido. Agora a do São Bento, que mesmo com uma área externa enorme para nos divertir, apesar de pequena, nos acolhe e nos faz ficar mais tempo dentro de casa. Quem precisa de um bronzeado no verão quando se tem a Vovó Teca pra prosear.
Segundo, a força. As vezes me pego pensando como uma mulher pequenininha teve 7 e grandes filhos, se viu viúva de forma repentina e antecipada. Com a responsabilidade de continuar a sua vida e a de uma família inteira, ela sempre deixou que os filhos acreditassem que eles estavam tomando conta dela, mas a gente sabe que, no final das contas, até hoje é ela quem toma conta de todo mundo. Não deve ter sido fácil, foi professora, teve mercadinho, salão de beleza... sei que a força se transformou em doçura. E convenhamos, vendo no que esta família se transformou, ela fez um tremendo trabalho.
Terceiro, o cabelinho branco. Sempre arrumado, no seu lugar.
Quarto, a casa cheia que nunca esvaziava. Eram os irmãos, os sobrinhos, os primos, os filhos, os netos para mais de metro (literalmente), até aqueles que não eram netos legítimos, mas que insistiam em chama-la de avó (sim, a gente assume, ficávamos enciumados com isso, mas de que vale isso ?).
Relembrando, percebemos que esses pequenos detalhes se juntam como peças num quebra-cabeça e a figura que se forma é essa diante de nós. Essa mulher linda, doce, gentil, engraçada que quando precisa se transforma numa tigresa, numa muralha ou num jardim florido cheio de azaleias e ipês, tudo isso num piscar de olhos.
Ela é irmã, tia, prima, mãe, avó e bisavó. Ela é completa. Ela é o que sempre quisemos ser e o que continuamos querendo ser quando crescer.
Parabéns Dona Ester.
Parabéns Teté.
Parabéns Tia Teca.
Parabéns bisa Teca.
Parabéns Vovó Teca
Parabéns meu amor!



[1]  Ano passado ela chupou a primeira jaboticaba.
[2]  Regina também leu.  Depois mostro pra vocês.

17 comentários:

Paulinho Saturnino Figueiredo disse...

Lindo o texto. Um beijão amoroso pra dona Teca.

Adriana disse...

Ela merece cada palavra!

Adriana disse...

E preciso registrar que a Ciça também deu sua contribuição!

Mariza disse...

Moço, chorar escondido não presta viu?
Estou lendo aqui no trabalho.
Acho que até o "chefe" se emocionaria. Que belas palavras.
Teté é tudo isto e muito mais.
Desejo de coração que,seus passos sejam iluminados.
Que o bom Deus a proteja sempre.
Bjs.
Mariza

toni disse...

Parabéns para a Tia Teca pelo longo caminho percorrido e para você pelo texto.

toni disse...

Cesão me avisou pelo Face: É da Adriana e da Rachel, Toni.
Então segue minha retificação parabenizando a Raquel e a Adriana, extendendo para o Cesão, que publicou.

PC disse...

Pode chamar de mamãe, Paulinho

PC disse...

Com o auxílio luxuoso da Ciça, Adriana, cada palavra é merecida, em se tratando de Dona Ester.

PC disse...

E o mais bonitinho, Mariza, foi ela querendo confessar antes da missa.
Um amigo nosso falou que, se Deus perdoasse ela de algum pecado, a gente, com os nossos, tava fu...

PC disse...

Ela tava toda bonitinha lá, moça.
Mó graça...

PC disse...

Parabéns pra Adriana, pra Rachel, e pra Ciça que ajudou, Toni.
Retificado.

Ricardo Ferreira disse...

Tia Teca, Meus parabéns!! Muitas jaboticabas!!!!

Renata Feldman disse...

Que linda Ester, estrela iluminada de onde você veio, Paulinho querido. Agora tá explicado. Manda pra ela um abraço cheio de admiração, com as melhores energias. Parabéns para ela e toda a família!

PC disse...

Também acho, Cacado, que ainda vamos chupar muita jaboticaba.
Beijo

PC disse...

Parece mesmo que a festa é nossa, Renata.
Nós todos ficamos só olhando pra ela e rindo...

nita disse...

cezão, ontem de passagem por BH, eu contei para a Simone o quanto Tio Henrique e Tia Teca foram importantes nas nossas vidas, seus sobrinhos que foram para BH, inumeros,para estudar. Eles foram nossos pais também. Prarabéns Tia Teca. Um grande e fraterno abraço,
Nita

PC disse...

Vou falar com ela, Nita.
Beijo pra você.