domingo, 12 de junho de 2011

Edição Especial 71 - Fiat Lux, Cemig

                                         Desenho chupado no Google de Roy Lichtenstein


Quinta feira foi um caos em Belo Horizonte.  Árvore caindo pra todo lado, vento uivando, coisa horrorosa.  Na casa da mamãe, duas janelas de vidro quebradas.
Em meio a este caos, é esperável até que a luz caia em alguns lugares.

Quer dizer, esperável pra você e pra Cemig.  Pro Paulinho Saturnino não.

Paulinho  você conhece de uma história que eu já contei nest’A Saga.  Acontece que Paulinho não deixou que sua deficiência física se confundisse com inutilidade e o impedisse de empreender uma carreira profissional brilhante, que o levou, inclusive, a dirigir a FAFICH da UFMG, onde uma horda de comunicadores usufruiu de sua verve afiada e seu humor fino, que você conheceu aqui.

Pois é.  Hoje, quando acontecem as crises mais brabas, Paulinho depende de um respirador, com o risco de uma apnéia meio atrevida, fora de hora, levar ele para sempre.
Você pode imaginar[1] o desespero que ele fica quando acaba a luz.

Paulinho tem em casa dois nobreaks turboblaster, mega, que garantem o respirador funcionando por mais umas 4 salvadoras horas.  O equipamento foi instalado pela WhiteMartins, a fornecedora do oxigênio, e é o considerado adequado, dentro dos padrões normais.
Só que a gente nunca sabe quão dentro dos padrões ESTA queda de energia se enquadra.

É aí que mora o perigo.  É impossível ligar pra CEMIG nas horas de crise.  A única coisa que é possível ouvir pelo telefone é algo como “nossos atendentes estão todos ocupados”.  E a única coisa que Paulinho pode fazer é cochilar sentado, vigilante, pra ver se a falta de luz está chegando ao limite dos nobreaks, pra ele correr, ainda a tempo, pra algum hospital que possa atendê-lo.

Os amigos do Paulinho começamos uma briga com a CEMIG pelo facebook, pedindo que fosse colocado algum sistema de atendimento especial pra quem tem necessidade especial.  A empresa coloca alguns procedimentos burocráticos até razoáveis.  Vamos ver, na próxima crise, se vai mudar alguma coisa.  Por agora, Paulinho está aproveitando pra recuperar o sono e a calma perdidos.

E você aí, bacana, pensando que Valente era eu ...


[1]  Acho que não.  A gente não consegue imaginar este desespero ...




12 comentários:

Flávia Coelho disse...

Pois é eu fico pensando que isso não é só papel p/ os amigos do Paulinho, é p/ nos todos. E essas coisas a gente tem que fazer e cobrar das pessoas competentes.
Semana passada mesma telefonei p/ o 156 da PBH e funcionou, solucionaram o que havia reclamado (imediatamente liguei p/ falar que tinha visto a realização do meu pedido) Bjs

Paulinho Saturnino Figueiredo disse...

Xará e anjo, obrigado pela mobilização carinhosa, como sempre. Dessa vez, das 17 hs às 4 hs da madruga seguinte, a falta de energia me deu mesmo uma canseira. Eu ainda me viro bem. Fiquei pensando em uns e outros que já conheci por aí, traqueostomizados e ligados a concentradores de oxigênio. Sem chances, em especial se o trânsito, como na quinta, impedir uma ambulância de chegar a tempo... aí, é colocar uma ópera no iPod e fingir que é novela.

Leo disse...

caramba, isto sim é precisar de energia :-(

Rosa Roedel disse...

Quinta feira parecia que eu morava no Morro dos Ventos Uivantes. Teve árvore caída, janelas batendo, coisa de louco. Curioso é que a tal queda de luz está cada dia mais frequente, mesmo em dias em que não há chuva ou vento. Os dois Paulim são valentes e admiráveis, agora no caso do Saturnino vou me informar se não há violação do direito do consumidor.

Márcia disse...

Paulinho Saturnino, só conheço pelo face, me divirto zilhões com as postagens dele e já adimiro. Cesão não precisa nem comentar.Antes eu tinha "UM" Paulinho prá servir de estímulo prá mim, agora tenho "DOIS".Beijo.mines

PC disse...

Vamos ver no que dá isto, Flãvia Coelho

PC disse...

Eu fiquei achando também, xará, que nem foi tanto por você.
Tem hora que o bicho pega pra todo mundo.
Qualquer dia, sou eu...

PC disse...

Leo, e você não acredita a energia que ele tem.

PC disse...

Eu fico até achando, Rosa, que a questão do direito do consumidor nem é a mais importante.
isto a gente briga, esperneia, faz a maior quizumba.
Só não gosto de pensar que ou ele ou qualquer pessoa tenha ido antes da hora.

PC disse...

Ele é demais, Mines.
Beijos

Nando disse...

Se o problema é com a CEMIG, você consegue resolver na própria família, ou já se esqueceu do seu irmão? Brincadeiras à parte, isto é uma falta de respeito com TODOS NÓS. Quem tem a necessidade, por motivo de saúde, deveria realmente ter uma prioridade ou uma atenção especial nestes casos.

PC disse...

Falei isto com o Paulinho, Nando. Agora é ele quem está passando sufoco, mas qualquer hora, é a gente também...