domingo, 8 de maio de 2011

Edição Extraordinária 64 - Mãe do ano



Desde que eu comecei o blog, Maurilo é meio meu grande herói neste ramo.  Na minha cabeça, foi n’O dia que eu morri que comecei a achar que tinham algumas histórias engraçadas pra serem contadas sobre meu percurso com o Valente.
Quando eu caio na besteira de eleger esse velho resmungão como benchmarking, tomo, a cada dia, uma lavada mais vergonhosa.  Já reconheci a briga como perdida quando postei, no dia das mães do ano passado, que ele era inalcançável.  Por mais que eu invente moda e consiga uma horda de seguidores nest’A Saga, nos blogs dele, Pastelzinho e Livraiada, eles chegam igual abelhas num pote de açúcar.

Maurilo inventou duas modas, estes últimos dias. 
Uma delas, vai contar histórias pros meninos da Aura (uma casa de apoio pra crianças portadoras de câncer).
E outra, quando ele criou um processo que é uma variante online da multiplicação dos pães e dos peixes, que Jesus desenvolveu há muuuito tempo atrás.

Maurilo consegue que seus discos e livros sejam vendidos duas vezes.  Uma, quando ele compra, e outra, quando faz umas garages sales de suas coisas, vendendo de novo, em troca de cobertores e brinquedos pra doar pra uma creche que ele e sua Sophia apóiam.

Quinta feira fui levar um cobertor pra ele na Tom e pegar o livro que me coube.  “A escritora” da Ethel Kacowicz, que saiu pela KindleBookBR.
Engraçado que virou tudo uma grande conspiração do universo em comemoração ao dia das mães.
Ethel, que já tinha sido publicitária uma vez na vida, foi se transformando, devagarzinho, em bruxa.  Eu trabalhei com ela quando estava rompendo o casulo.  Ainda não voava de vassoura.
Foi aprendendo a conversar com Deus e, o melhor de tudo, a ver Deus nestas nossas imperfeições.

O legal do livro é que foi me dando um certo incômodo, achando que as coisas estavam demorando a dar certo pra ela.
Acho que, no final das contas, foi o melhor presente que Maurilo podia ter dado pra mim, pra Ethel, pra creche e pra ele mesmo.

Não tenho a menor dúvida que foi mais uma bruxaria da Ethel.  Se eu fosse você, seguia o Pastelzinho, pra participar das próximas inventações do Maurilo, e lia “A Escritora”, pra treinar pra estar mais perto d’Ele.

16 comentários:

redatozim disse...

O livro da Ethel é muito lindo mesmo, PC, bela aquisição. E o cobertor vai ajudar muito a meninada. Valeu, meu caro. abração.

Ethel disse...

Queridos, não é que Deus uniu nossas canetas e corações?
Vocês são incríveis,e sempre uma inspiração! Me sinto honrada, muitíssimo obrigada, amo vocês.

Rosina disse...

Sou fa dos tres. Tudo verdade! beijos

PC disse...

Bença, Maurilo.

PC disse...

Bruxinha, babo por você.

PC disse...

E eu, fã dos três também.
Seu, desde a época da Standard, na Rio de Janeiro

Sakana-san disse...

Eu - muito gentilmente - me curvo diante dos textos do Maurilo, dos seus e das estripulias da Sophia. Beijo.

PC disse...

Principalmente da Sophia, Sakana. Precisa ver com que orgulho ela desfila os cachinhos...

Sakana-san disse...

Ahhh! Um dia aterrisso aí. Um grande amigo meu, redator publicitário aposentado, anda pelas bandas daí. Em tempo, você conhece o blog de um outro colega de profissão Tiago Morales? Vale a pena: http://tfmoralles.blogspot.com/

Beijo.

Tuca Zamagna disse...

Não conheço o Maurilio, Paulinho. Então, por enquanto, meu herói neste ramo continua sendo seu xará Saturnino, que me ensinou a andar na blogosfera. Em cadeira de rodas! Como ainda não uso uma, precisei improvisar bastante pra tocar meu blog de pé.

Abraço

P.S.: Passei o fim de semana em Beagá. Muito bom. Tirando um almoço ontem com o Saturnino e Katinha. Se ele o convidar, fuja. Ele arrasta a gente pra um restaurante de shopping que tem uma comida pra lá de perigosa!

PC disse...

Os contos deles são encantadores, Sacana.
Já mandei o endereço pra uma renca de amigo meu.
Beijos e obrigado pela dica.

PC disse...

Pela descrição de Paulinho, Tutuca, a gente deve ter algum amigo comum.
Vitor Lemelle, Ana de Tostão, Eduardo de Nenena, sei lá.
O primeiro que descobrir avisa o outro.

Renata Feldman disse...

Sou fã da Ethel há muito tempo, sem conhecê-la pessoalmente, pelo tanto de coisas boas que falam dela.
Bacana a notícia do livro, já vou colocar na minha "lista de espera"!...
Já era fã do Maurilo, e agora com essa história da AURA, vou montar um fã-clube.
E de você, meu caro PC, mil fã-clubes ainda não seriam suficientes...
Abração!

PC disse...

Ando me programando pra ir na Aura também.
Me pelo de medo, Rê.
Na hora que eu estiver pronto, apareco...

Anônimo disse...

Ei, Renata! Quanta alegria você me dá! Agradeço, querida, e bem vinda à minha família de amigos!!! E me conta, gente, o que é Aura? Paulinho se pela de medo e eu aqui, curiosíssima... beijos! Ethel

PC disse...

Vocês duas são daquelas que a gente conhece hoje e parece que se conhece desde pequeno, meninas.
A Aura, Ethel, é uma casa da apoio à criança cancerosa. Fica na Contorno, entre o LifeCenter e a Afonso Pena.
Quando eu fui articular minhas idas com a psicóloga, me debulhava em lágrimas.
Mas vou tentando...