domingo, 27 de junho de 2010

Pedro, de novo... - 88



Talita, minha personal social assistant lá da hemo, vive inventando um jeito da nossa vida ficar mais interessante.  Deu a maior força quando eu fui mexer com o INSS, ajuda o povo a conseguir cartão de gratuidade no transporte urbano, leva palestra pra nós, já levou música, contadora de história e mais um punhado de coisa.

Esta semana teve festa de São João a semana toda.  Tinha caldo de mandioca, forró comendo solto, bandeirinha, uma alegria só...  A clínica parecia a praça de Campina Grande, na Paraíba. 

Dona Ana[1], que é de longe a mulher mais elegante da clínica, foi toda trelelê na quarta, vestido de chita, a jeca mais linda que você pode imaginar.  E ela fez questão de arrazar.  Saia andando com o porte altivo, certa que estava fazendo o maior sucesso.  E estava mesmo.

E eu lá, fazendo o maior sucesso.  Dancei com Talita, com a Darlene, minha personal psychologist, me acabei, até o Taíque aparecer pra me buscar.
Aí, eu, que sou de longe o jeca mais danado da clínica, já marquei com Dona Ana o casamento na roça, na hemo de sexta feira.

Mal aguentei esperar a sexta.  Tasquei um remendo de chita numa calça, arrumei um cinto de cadarço, enchi minha sobrancelha de rolha queimada e desfilei todo faceiro, disposto a fazer o mó bonito.  Parecia o dia que eu fui no Delfim Moreira.

Só que eu sou o mais danado mas sou muito ruim em logística.  Esqueci que na próxima sexta, todo mundo só tinha cabeça pra o jogo da Copa do Mundo.  Dona Ana, e mais todo mundo, com camisa de Brasil, peruca de Brasil, óculos de Brasil.  Até vuvuzela apareceu naquele suposto ambiente hospitalar.
Ninguém deu a menor bola pra minha roupa, totalmente fora de contexto.

Pra piorar minha situação, o marido de Dona Ana já estava esperando desde 10:45, doido pra ir logo pra casa, ver o jogo.

Mais uma vez, cumpriu-se a tradição.  Pedro, no caso o marido de Dona Ana, fugiu com a noiva e eu, de longe, virei o Antônio da música, que passava mais desapercebido naquela clínica.

Diacho de Copa do mundo mais fora de hora...
   
  
  

[1] Deve ser a mesma antipatia de me chamar de Seu Paulo.  Aposto que todo mundo na família só chama ela de Ana.

9 comentários:

vivi disse...

noooo....mais divia ta bunito esse jeca hein!!!!!hauhauhauha

e a festa no Meu sitio???vai me espera???

bjosaudosa

PC disse...

Depois que o Pedro fugiu com a noiva na hora de ir pro altar, eu fiquei tristinho...
A sua festa vai ser a de despedida das férias, dia 31 de julho.
Vem logo.

Adriana disse...

Hahahahahahaha. . . Fiquei com dó!
Você de jeca e todo mundo de Brasil?!?!?!?!?!?!?
Hahahahahahaha

Vou te ajudar. Marca o próximo casório pra quarta-feira porque deve ter jogo na próxima sexta também.
E vê se não vacila desta vez!!!

Beijos

Regina disse...

De novo vc fantasiado em dia errado, nego?!? Sorte da mamãe que não foi ela que foi te levar desta vez, pra não passar vergonha. Quando vc era pequenininho ainda dava, mas desta idade...

Mesmo assim aposto que não perdeu a classe,tô certa?

Beijos

Ps: Fala que a Vivi, Adríola e eu somos lindas, te damos a maior força, etc. a gente tá sempre prestigiando seu blog, já reparou? E torcendo pra vc, mesmo em dia de jogo do Brasil

PC disse...

Adriana, fiquei tristinho mesmo.
Também, não caso nunca mais...

PC disse...

E eu que achava que meu inferno astral era setembro...
Fiquei abalado mesmo!!!
E o Pedro lá, com a noiva.

Isto posto, vocês são lindas com força.

Renata Feldman disse...

Show de bola pra esse caipira animado, sô!

PC disse...

Mó abandono, tadinho.
Doido pra casar com Dona Ana, e ela foge...

Estou achando melhor tentar ainda em Caruaru, alguma coisa lá pra cima

Lucia disse...

Também tô aqui, ó. Mesmo depois do jogo!!!!!Essa ansiedade qui trapáia, té qui deu bão causo prá nóis tudo..bjs