domingo, 29 de janeiro de 2012

Esquizofrenia corporativa


Há um tempo atrás eu levantei a bola da Unimed aqui nest’A Saga com uma inventação de moda deles pra marcação de consulta pela internet.  Era um troço de uma praticidade impar, que, efetivamente, era o maior adianto para o lado da gente, clientes.  A própria Unimed anda jactando-se de seu avanço, alardeando o sucesso de seu projeto.  A coluna Briefing do Estado de Minas comenta o trabalho da Lápis Raro, que gerou mais de 100 mil consultas em apenas um ano.  "Sabe por que tanta gente já marcou? Porque resolve", provoca a campanha.
             
Fecha o pano, rápido.  2º ato.
            
Muito bem.  Estava eu querendo conhecer o apartamento novo da Lisa no Rio.  Primeira providência de paciente renal dishcolado, fui armar a hemo pra ser feita no Rio.  O procedimento normal demorou um pouco mais pra ser concluído e lá fui eu conversar com a Unimed pra agilizar o processo.
Diz a moça que eu devia entrar em contato primeiro, pessoalmente, com o Trânsito da Unimed no Rio.
Liguei pra lá e escutei:  O senhor tem que preencher um documento.
Nenhum problema.  Eu faço chegar a vocês, falei com a menina, pensando em terceirizar a dor de cabeça pra Lisa.
Pessoalmente, insistiu ela.  O senhor vem cá, preenche a ficha, a gente manda pra auditoria e eles respondem.
Achei bacana, entendendo que seria vapt-vupt.  Mas, completou a moça, rápida no gatilho, não é garantido que a auditoria autorize.
Então, perguntei eu, sem entender direito, eu tenho que ir até à Unimed, pessoalmente, e, correndo o risco de não ter minha hemo autorizada, voltar correndo pra fazer em Belo Horizonte?
Tadinha, a moça ficou até meio perplexa com minha irritação. 
O senhor não entendeu? ela falou, telemarketinguemente gentil.
Claro que entendi.  Desculpe, eu só fiquei irritado por ter que me submeter à burocracia burra, criada só pra dificultar o acesso. 
            
É possível até que meus amigos da Unimed BH possam dizer que eles não têm gestão sobre outras Unimeds.  Mas continua sem fazer sentido pra mim.  Se usam mesmo nome, mesma marca, era pra estarem alinhados com a mesma filosofia de se adequar à necessidade do cliente.
Mas não.  Cagam e andam se a coisa vai me dar um gigantesco trabalho.  Parece que o maior compromisso é dificultar meu acesso à felicidade.
                
Fala se eles não estão de sacanagem comigo[1] com este slogan que a Unimed usa: 
“Se a vida não para de oferecer, não pare de aproveitar”

 

[1] No mínimo uma provocação.

6 comentários:

Mariza disse...

Moço,
que maravilha destas flores do "meu sítio". Lá tem quaresmeira? Se não tiver providencie com urgência,elas atraem as mais lindas borboletas.
Lá na fazenda tenho uma maravilhosa.
Quanto a UNIMERDA(um parente seu que é médico, que fala assim)não brinca com ela não.Pode te deixar na mão.
Bjs floridos.
Mariza

Márcia disse...

É penoso demais mexer com tamanha burocracia, burrice... tudo junto.

PC disse...

Mas tá é bonito lá, moço.
As quaresmeiras ainda estão novinhas. Eu vou me virando com os ipês, enquanto isto.

PC disse...

E só bobagem, Márcia. Eles tinham tudo pra me ter como fã e ficam enchendo meu saquinho.
Por enquanto, eu ainda me dou bem com ela aqui em Belo Horizonte.

Leo disse...

cuidado com estes posts reclamando das burrices das unimeds que o povo googla, acha e começa a vir aqui destilar as reclamações.

vai ser o post mais acessado e comentado do blog ;-)

PC disse...

Parece que não é só comigo não, né Leo...
Ainda bem que eu livrei a cara da Unimed BH.
Saudades sua, rapá...